Fóssil encontrado no Brasil difere de todas as espécies já conhecidas*

19 de janeiro de 2021

Por: Igor Mateus Sousa Santana

*Texto publicado também no espaço biótico <confira aqui>

A Formação Ponta Grossa da Bacia do Paraná, no estado do Paraná, Brasil, é conhecida por preservar diversas espécies de animais invertebrados, como trilobitas, moluscos, equinodermos, dentre outros. No entanto, o fóssil encontrado difere de todos esses animais e consiste em três pequenos fragmentos que indicam ser de uma espécie bentônica séssil, ou seja, uma espécie que vivia fixa a um substrato.

O fóssil data do período entre 407 e 393 milhões de anos atrás, no Devoniano Inferior e se refere a uma espécie até então desconhecida, que foi nomeada Pontagrossia reticulata. O nome do gênero “Pontagrossia” se refere ao local em que o fóssil foi encontrado, a Formação Ponta Grossa. Já o epíteto específico “reticulata” se refere à forma reticulada da estrutura encontrada, que é cheia de estrias longitudinais e transversais.

Ainda não se sabe se os três fragmentos encontrados se referem a um único indivíduo ou a três indivíduos diferentes. O que se sabe, com certeza, é que o fóssil representa um animal minúsculo, de poucos milímetros, que difere de todos os outros já encontrados no local. Acredita-se que a espécie descoberta seja um Porifera, ou seja, uma esponja. O corpo em forma de vaso e o padrão reticulado são características que sustentam essa especulação. No entanto, a classificação da espécie descoberta neste filo ainda é incerta.

A revelação de uma nova espécie geralmente desperta enorme curiosidade. Tomar conhecimento de um organismo que antes era desconhecido trata de desvendar parte dos grandes mistérios da natureza, ainda mais quando se trata de uma espécie já extinta. No entanto, com os avanços da ciência, espera-se que muitas outras espécies sejam descobertas, mesmo quando todas já parecem ser conhecidas. A descoberta desse fóssil na Formação Ponta Grossa é apenas um exemplo das grandes novidades da ciência.

Artigo fonte: Chahud, A., & Fairchild, T. R. (2020). A new invertebrate from the Ponta Grossa Formation (Devonian), Paraná Basin, Brazil. Revista Brasileira De Paleontologia, v. 23, n. 4, p. 279-282. Doi: 10.4072/rbp.2020.4.06 <Clique aqui para acessar o artigo fonte>

Fonte complementar: Tabela cronoestratigráfica internacional. Disponível em: https://stratigraphy.org/ICSchart/ChronostratChart2017-02BRPortuguese.pdf. Acesso em: 19 jan. 2021.

Legenda e fonte da imagem: Imagem de microscopia eletrônica de varredura do holótipo de Pontagrossia reticulata da Formação Ponta Grossa. Fragmento interno incompleto do espécime GP/1E-11425. Escala = 5 mm. (Extraída do artigo fonte).

Publicado por Alexandre Liparini

Mineiro, gaúcho, sergipano, e por que não, alemão? No caminho sempre a paleontologia como paixão e agora como profissão. Adora dar aulas e pesquisar sobre origens e evolução. Se esse for o tema, podem perguntar, por que não?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: