Paleontologia na escola e na memória

21 de setembro de 2020

Por: Sara Delaine

“Tecendo redes de saberes e experiências através do ensino de Paleontologia em escolas municipais e estaduais, no município de Porto Nacional, TO” é o projeto de extensão da Universidade Federal do Tocantins que funciona como objeto de estudo a fim de diagnosticar os conhecimentos bem como o ensino de paleontologia nas escolas, além de desenvolver estratégias de intervenção e solução para possíveis falhas. A localização do projeto não foi ao acaso, uma vez que o Tocantins é um estado rico paleontologicamente e conta com uma das principais bacias sedimentares brasileiras, a Bacia Sedimentar do Parnaíba. Logo, o estudo da paleontologia nessa localidade não apenas tem a ver com a ciências, mas também com a história, memória e patrimônio.

O projeto se deu eu duas escolas do ensino médio da rede pública estadual e teve como método/objetivo avaliar o conhecimento dos alunos na área e ver um diagnóstico da situação através de questionários. O que foi notado foi uma clara falha dos conhecimentos até mesmo desconhecimento sobre a própria história geológica local além de falhas nos conceitos básicos envolvendo temas como fósseis e evolução.

Após isso foram feitas práticas de intervenção com palestras e oficias didáticas e foi notado uma melhora no aprendizado dos conhecimentos por parte dos alunos. Diante disso, nota-se uma necessidade de melhoras no ensino de paleontologia nas escolas bem como desenvolvimento de ferramentas de ensino que auxiliem os professores. Não apenas isso, é necessário refletir sobre o tema uma vez que trazer a ciência para perto da sociedade é um dos maiores desafios da atualidade, é valorizar e preservar o próprio patrimônio, a própria história. Como o próprio estudo cita sobre o estudo da paleontologia e sua importância para a sociedade: “tendo em vista que o conhecimento advindo desta ciência é de extrema importância para o correto entendimento do papel do homem na história evolutiva da vida, e, portanto, importante no desenvolvimento de uma postura preservacionista e crítica”.

Artigo fonte: MENDES, L.A.S.; NUNES, D.F.; PIRES, E.F. (2005). Avaliação do conhecimento paleontológico com intervenção em escolas de ensino médio: um estudo de caso no estado do Tocantins. Holos., vol. 8, pp. 384-396. DOI: 10.15628/holos.2015.1991 <Clique aqui para acessar o artigo fonte>

Legenda e fonte da imagem: A figura mostra um gráfico feito com as respostas dos alunos no questionário diagnóstico aplicado em duas escolas (escola 1, gráfico superior e escola 2, gráfico inferior), referente à pergunta “O que é paleontologia?”, a fim de identificar o nível de conhecimento prévio na área. (Imagem extraída do artigo fonte.)

Publicado por Alexandre Liparini

Mineiro, gaúcho, sergipano, e por que não, alemão? No caminho sempre a paleontologia como paixão e agora como profissão. Adora dar aulas e pesquisar sobre origens e evolução. Se esse for o tema, podem perguntar, por que não?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: