Paleontologia na escola

Em 20 de setembro de 2019

Por: Ana Mattioli Laborne

A Paleontologia é uma área da Ciência que se dedica ao estudo das formas de vida passadas. É um conteúdo o qual encontra-se presente na grade curricular brasileira, desde o Ensino Infantil até o Ensino Médio, estando presente nos materiais didáticos tradicionais, como livros.

A paleontologia, contudo, é apresentada e abordada de maneira extremamente defasada durante a formação básica, média e até mesmo superior. Essa defasagem é perceptível se analisados os temas trabalhados em sala de aula do Ensino Básico, sendo eles: dinossauros, origem da vida e alguns tipos de fósseis (como são formados e o que são). Raras são as vezes em que há aprofundamento desses ou de outros assuntos nas aulas do Ensino Infantil, Fundamental e Médio.

Os autores do artigo levantam algumas hipóteses na tentativa de explicar por que a paleontologia se apresenta (ou melhor, não se apresenta) tão distante dos alunos da Educação Básica.

A ideia de que seja um assunto de alta complexidade e de difícil compreensão é colocada como um dos fatores, além da deficiência existente no que tange a formação dos alunos e dos professores para que esses tema seja mais e melhor abordado dentro de sala de aula. Outro fator de extrema importância é a lacuna existente entre a Universidade e a Sociedade. A partir dessas e de outras análises, os autores almejavam, com a realização do projeto, aproximar a paleontologia dos alunos e dos professores, inclusive.

Diversas foram as atividades desenvolvidas em parceria com um colégio do Rio de Janeiro, na Educação Infantil. Dentro dessas atividades, podemos citar: a) mudanças no espaço físico do colégio; b) e desenvolvimento da parte teórica, capacitando os professores.

As alterações feitas na escola (mencionadas em “a”) envolveram a construção de uma linha do tempo para representação do tempo geológico em escala grande, para melhor compreensão dos alunos, construção de um minijardim com representantes de briófita, pteridófita, gimnosperma e angiosperma (relação entre a paleontologia e a botânica) e uma sala de exposições, que funcionava como um espelho de um museu sobre temas da paleontologia.

Como resultado do trabalho, os projetos desenvolvidos na escola foram de extrema eficácia, despertando interesse nos alunos, professores e nos pais. Esses ficavam extremamente curiosos quando seus filhos chegavam em casa contando sobre coisas novas que haviam aprendido. Até que, mais tarde uma visita guiada pelos alunos, foi organizada e pode proporcionar aos pais uma maior aproximação com as atividades realizadas pelos filhos e com a paleontologia.

Artigo fonte: Fernanda Torello de Mello, Luiz Henrique Cruz de Mello, Maria Beatriz de Freitas Torello. (2005). A paleontologia na educação infantil: alfabetizando e construindo o conhecimento. Ciência & Educação, v. 11, n. 3, p. 397-410. <Clique aqui para acessar o artigo fonte>

Fonte da imagem: Figura 1 do artigo fonte.

Publicado por Alexandre Liparini

Mineiro, gaúcho, sergipano, e por que não, alemão? No caminho sempre a paleontologia como paixão e agora como profissão. Adora dar aulas e pesquisar sobre origens e evolução. Se esse for o tema, podem perguntar, por que não?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: