Fósseis encontrados na Austrália do período Mioceno são indicativos de uma extensa floresta tropical que dominava a região

12 de maio de 2022

Por: Larissa Cândida da Silva

A paisagem da Austrália se modificou muito ao longo do tempo geológico. Durante o período de tempo geológico chamado de Mioceno (compreendido entre 23,03 a 5,33 milhões de anos atrás) aconteceu um aumento na temperatura do planeta Terra e logo após uma baixa relativa. Acredita-se que essa variação climática tenha causado uma extinção global, no Mioceno médio. Uma grande consequência, foi a alta taxa de perda de ecossistema de florestas tropicais, que se estendiam pelo planeta. Uma das áreas afetadas foi a região australiana, que hoje apresenta um ecossistema mais seco.

Os registros que se tinha sobre a floresta australiana pré -histórica, ao qual foi substituída por uma região aridificada, eram bastantes escassas, de modo que faltava informações para se compreender a antiga natureza desse ambiente. Porém, graças à descoberta de N. McGrath, que encontrou vários fósseis de diferentes grupos biológicos, no centro de Nova Gales do sul, e devido ao ótimo estado de preservação do “McGraths Flat” (nome dado ao sítio dos fósseis, em homenagem ao seu descobridor ) é possível entender a natureza da Austrália antes de ser substituída por desertos e arbustos.

O depósito sedimentar encontrado, apresenta uma ampla diversidade de microfósseis, insetos, plantas, aranhas e restos de vertebrados, além disso têm a preservação de tecidos moles de diferentes plantas e animais. Através deles é possível observar como as espécies encontradas na região da Austrália moderna sofreram uma grande alteração, ou seja, mais adaptadas ao ambiente atual.

O depósito de preservação desse sítio fóssil traz informações bastante precisas da história de formação desse ambiente passado. A presença de arenito que juntamente com sedimentos de diferentes tamanhos, dá indício de um certo corpo d’água que tinha uma intensidade de fluxo mais lenta, e que pode ter sido substituído por um canal que possuía afluente de água com maior intensidade. Com a ajuda dos fósseis encontrados a conclusão é que o local se refere a uma pequena região de um lago marginal. O que explica essa afirmação é o fato de ter fósseis de peixes de tamanho médio. Outro fator curioso é em relação ao número de insetos, ao qual sugere que esse ambiente de lago estava isolado, ou seja, os predadores aquático ficavam retidos em alguma outra área, pois temos uma alta taxa de mosquitos fantasmas imaturos (do gênero Chaoborus, pertncente à família Chaoboridae, do grupo dos Diptera), que na maioria das vezes são encontrados apenas quando as populações de predadores estão nulas ou pequenas.

Os pesquisadores verificaram ainda, que o elemento químico Ferro teve um papel importante na preservação dos fósseis, ligadas a finas camadas do mineral Goethita. Os elementos da fossilização, que envolveram os fósseis aparentemente já se iniciavam com os organismos ainda em vida!

Apesar do Mcgraths flast preservar uma flora que também trazem associações a ambientes mais seco, a maioria das folhas preservadas tem diversos fatores que fazem ligações diretas com o ambiente de florestas tropicais, desde o tamanho ao formato das folhas. Assim pode se dizer que essa floresta se encontrava próxima a outros habitats.

As mudanças climáticas é um pilar que afeta relativamente um ecossistema inteiro, capaz de transformar ambientes tropicais em lugares secos. Graças à descoberta desse sítio, evidencia-se essas mudanças do tempo geológico e entende-se como esses ambientes se alteravam no passado.

Artigo fonte: Matthew R. McCurry, David J. Cantrill, Patrick M. Smith, Robert Beattie Mary Dettmann, Victor Baranov, Charles Magee, Jacqueline MT Nguyen, Marnie A. Forster, Jack Hinde, Ross Pogson, Helen Wang, Christopher E. Marjo, Paulo Vasconcelos & Michael Frese. (2022). A Lagerstätte from Australia provides insight into the nature of Miocene mesic ecosystems. Science Advances, v. 8, n. 10. Doi: 10.1126/sciadv.abm1406 <Clique aqui para acessar o artigo fonte>

Fonte e legenda da imagem de capa: Na figura encontrada no artigo, a imagem mostra a importância de se ter a preservação de tecidos moles da flora, pois devido à sua fragilidade a sua preservação em ótimo estado tende a ser comprometida. Quando essa preservação excepcional acontece, se tem um grande embasamento de informações, sendo assim possível comparar cenários de diferentes tempos geológicos, de uma determinada região. As amostras de fósseis são relativamente similares com a de uma floresta tropical. Figura extraída do artigo fonte.

Publicado por Alexandre Liparini

Mineiro, gaúcho, sergipano, e por que não, alemão? No caminho sempre a paleontologia como paixão e agora como profissão. Adora dar aulas e pesquisar sobre origens e evolução. Se esse for o tema, podem perguntar, por que não?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: